Blog

Foto Rômulo Brasil

Death Note (Filme Netflix) – Minhas Impressões

• Publicado em: August 27, 2017

Sempre quando falo sobre anime com alguém, não é segredo que Death Note (ou Desunōto para os íntimos) é o anime da minha vida. Nunca, nem mesmo na minha infância, eu gostei tanto de um anime como é com Death Note. Mesmo Death Note não tendo uma segunda temporada com a mesma qualidade que foi a primeira, mas mesmo assim não anula ela ser uma grande obra-prima já feito pela humanidade.

Quando a Warner divulgou que iria fazer adaptação de Death Note para os cinemas, eu fiquei feliz, mas com pé atrás, pois dado o histórico de adaptações feito pela Warner e pela geral de animes não são boas. Mas aí a Netflix, divulga que a Warner vendeu os direitos para ela e que vai adaptar. Bom, até o presente momento, a Netflix, vivia sua era de ouro, com uma enxurrada de produtos originais excepcionais, não posso dizer o mesmo ultimamente de 2016/2017, mas estava confiante. Aí chega os trailers e você já ver que vai ser uma merda total. E em agosto de 2017, você assiste adaptação horrenda, uma verdadeira bosta travestido de filme.

Eu não sou contra adaptações e muito menos compactuou whitewashing. Eu acho valido adaptar a etnia de um personagem e costumes orientais de uma obra para o ocidente. Até porque, nem todo mundo pode entender os costumes e ficar meio perdido diante da história e um personagem ser de uma certa etnia faz isso ser a essência dele. Agora, o que eu não admito é a mudança da essência da obra e desvirtuar totalmente a história e/ou um personagem por conta dessas adaptações ridículas.

O filme Death Note da Netflix é uma adaptação terrível e nem mesmo se você pegar ele como standalone e se desvirtuar de todo o material original, ele ainda continua sendo horrível. Diferente de Ghost in the Shell, ou A Vigilante do Amanhã, que foi uma outra adaptação de uma obra-prima Japonesa que mesmo assim de não ter gostado, mas se você pegar ele como standalone pode até gostar dele, pois tem alguma essência do material original.

Os roteiristas tentam pregar uma peça em nós que já assistimos ao anime e mudam a essência do personagem principal, o Light, o deixando uma malandro que vende trabalhos feitos/pescas, whatever. E não é só isso, também o faz um Zé Ruela o filme todo, sem as filosofias morais e a essência principal, a inteligência. Quando chega no final, bola um plano todo cheio manipulações que anula toda sua trajetória do filme inteiro. Também temos a Mia, que tem mais a essência do Light do anime do que ele mesmo na historia. E não bastasse cagarem o Light e a Mia, aí eles têm a ousadia de estragarem a essência de um dos maiores personagens já criados, o L, não vou nem entrar no mérito de eles terem mudado a etnia dele, mas o problema é muito maior do que isso, onde nada condiz com que o personagem faria no anime, está tudo errado. Umas das coisas mais maravilhosas e geniais em Death Note (anime) são os embates intelectuais entre o Light e L, e aqui não exploraram isso, porque o Light é um bosta n’água e o L é um desequilibrado.

O Death Note da Netflix não é um zero total por causa do Willem Dafoe, que empresta sua voz para o shinigami, Ryuk. E pelo menos ele entrega uma trabalho de dublagem muito bom, porque o CGI é horrível. Outra coisa que me deixou puto, foi a trilha sonora, totalmente desconexa. Tem uma cena do terceiro ato, que tem uma câmera lenta e aí começa uma música que não condiz com a cena e a porra da cena é longa, fazendo você pensar o porque você apertou o play para assistir esse filme e por que você não pega o controle e para ali mesmo.

Death Note da Netflix não recomendo a você perder 1h40m de vida, assistindo uma filme desse.

Romae